× Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato
Território Inimigo
Literatura, História, Museologia e Numismática. Sítio de Goulart Gomes, o criador do Poetrix.
Meu Diário
22/03/2010 09h34
Semana Chico Xavier, na Globonews
O canal Globo News fará uma semana especial ao Centenário de Chico Xavier com início no dia 24 de março, às 23h com o Programa Arquivo N que apresentará “A Biografia” do médium com depoimentos de quem conviveu com ele, contanto com  utilização de rico material preservado no Centro de Documentação da Rede Globo. No sábado, dia 27, à meia noite, será exibido Almanaque – Entrevista especial com Daniel Filho, diretor do filme sobre o médium, o ator que faz o papel de Chico Xavier (Nelson Xavier) e Marcel Souto Maior, autor da biografia em que o filme se baseou. No dia 28, às 23h, será a vez do Globo News Especial Chico Xavier com uma grande reportagem de campo sobre Chico Xavier. Já no dia 31, também às 23h, será apresentado, no programa Arquivo N, “As Gravações”,  um programa  dedicado exclusivamente à palavra de Chico Xavier, sobretudo nos anos 70.  Informações sobre horários alternativos podem ser obtidas no site: globonews.globo.com/Jornalismo/GN/0,,17664,00.html
Publicado por Goulart Gomes
em 22/03/2010 às 09h34
 
21/03/2010 08h53
GUIMARÃES ROSA E GILBERTO GIL
 DIA DORIM NOITE NEON: NAS VEREDAS DO GRANDE SERTÃO, da Profa. Cássia Lopes, é um ensaio  que estabelece  um diálogo muito interessante entre o disco de Gilberto Gil e a obra máxima de Guimarães Rosa. Vale a pena conferir.
CLIQUE AQUI
Publicado por Goulart Gomes
em 21/03/2010 às 08h53
 
17/03/2010 18h33
FELICIDADE, por Goulart Gomes
 FELICIDADE
é algo que a mente anseia mas o coração não alcança
Publicado por Goulart Gomes
em 17/03/2010 às 18h33
Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
16/03/2010 08h38
GUIMARÃES ROSA - Grande Sertão: Veredas - Trechos selecionados
1
Que mesmo, no fim de tanta exaltação, meu amor inchou, de empapar todas as folhagens, e eu ambicionando de pegar em Diadorim, carregar Diadorim nos meus braços, beijar, as muitas demais vezes, sempre.




Vai, e vem, me intimou a um trato: que, enquanto a gente estivesse em ofício de bando, que nenhum de nós dois não botasse mão em nenhuma mulher... Jurei... Um dia, no não poder, ele soube, ele quase viu: eu tinha gozado hora de amores, com uma mocinha formosa e dianteira, morena cor de dôce-de-buriti. Diadorim soube o que soube... Diadorim não me acusava, mas padecia... Desabafei, disse a ele coisas pesadas. - "Não sou o nenhum, não sou frio, não... Tenho minha força de homem!" Gritei, disse, mesmo ofendendo. Ele saíu para longe de mim; desconfio quem, com mais, até ele chorasse. E era para eu ter pena? Homem não hora! - eu pensei, para formas.




Meu corpo gostava de Diadorim. Estendi a mão, para suas formas; mas, quando ia, bobamente, ele me olhou - os olhos dele não me deixaram. Diadorim, sério, testalto. Tive um gelo. Só os olhos negavam... Falei sonhando: - "Diadorim, você não tem, não terá alguma irmã, Diadorim?" - voz minha; eu perguntei... Sei lá se ele se riu?... Irmã nem irmão, ele não tinha: -"Só tenho Deus, Joca Ramiro... e você, Riobaldo..." Mas pude ter a língua sofreada. - "Vamos embora daqui, juntos, Diadorim? Vamos para longe, para o porto do de-Janeiro, para o sertão do baixío, para o Curralim, São-Gregório, ou para aquele lugar nos gerais, chamado Os-Porcos, onde seu tio morava..." O que eu tinha falado era umas doideiras. Diadorim esperou. Ele era irrevogável. Então, eu saí dali, querendo esquecer o ligeiro atual. Minha cara estava pegando fogo.




Mas, pensar na pessoa que se ama, é como querer ficar à beira d'água, esperando que o riacho, alguma hora, pousoso esbarre de correr.




Deixei meu corpo querer Diadorim; minha alma? Eu tinha recordação do cheiro dele. Mesmo no escuro, assim, eu tinha aquele fino das feições, que eu não podia divulgar, mas lembrava, referido, na fantasia da idéia. Diadorim - mesmo o bravo guerreiro - ele era para tanto carinho: minha repentina vontade era beijar aquele perfume no pescoço: a lá, aonde se acabava e remansava a dureza do queixo, do rosto... Beleza - o que é? E o senhor me jure! Beleza, o formato do rosto de um: e que para outro pode ser decreto, é, para destino destinar... E eu tinha de gostar tramadamente assim, de Diadorim, e calar qualquer palavra. Ele fosse uma mulher, e à-alta e desprezadora que sendo, eu me encorajava: no dizer paixão e no fazer - pegava, diminuía: ela no meio de meus braços! Mas, dois guerreiros, como é, como iam poder se gostar, mesmo em singela conversação - por detrás de tantos brios e armas? Mais em antes se matar, em luta, um o outro. E tudo impossível. Três-tantos impossível, que eu descuidei, e falei: - ...Meu bem, estivesse dia claro, e eu pudesse espiar a cor de seus olhos... -; o disse, vagável num esquecimento, assim como estivesse pensando somente, modo se diz um verso. Diadorim se pôs pra trás, só assustado. - O senhor não fala sério! - ele rompeu e disse, se desprazendo. "O senhor"- que ele disse. Riu mamente. Arrepio como recaí em mim, furioso com meu patetear. - Não te ofendo, Mano. Sei que tu é corajoso... - eu disfarcei, afetando que tinha sido brinca de zombarias, recompondo o significado. Aí, e levantei, convidei para se andar. Eu queria airar um tanto. Diadorim me acompanhou.




Ela era. Tal que assim se desencantava, num encanto tão terrível; e levantei mão para me benzer - mas com ela tapei foi um soluçar, e enxuguei as lágrimas maiores. Uivei. Diadorim! Diadorim era mulher. Diadorim era mulher como o sol não acende a água do rio Urucúia, como eu solucei meu desespero.... Mas aqueles olhos eu beijei, e as faces, a boca... E eu não sabia por que nome chamar; eu exclamei me doendo:

 
- "Meu amor!..."



7
Sertão é onde o pensamento da gente se forma mais forte do que o poder do lugar. Viver é muito perigoso...

Publicado por Goulart Gomes
em 16/03/2010 às 08h38
 
07/03/2010 09h47
CONSTATAÇÃO
 O mundo está dividido em dois grupos de pessoas: As Que Fazem e As Que Criticam As Que Fazem. Seria isso a tal de dialética?
Publicado por Goulart Gomes
em 07/03/2010 às 09h47
Página 41 de 79